Figueiró dos Vinhos – PSD queixa-se da Câmara deixar “calote”

Proposta para contração de empréstimo contestada pelos social-democratas locais


Pombal 97 fm / Politica – A Comissão Politica Concelhia de Figueiró dos Vinhos do PSD está a contestar um possível empréstimo que a Câmara Municipal pretende contrair, para “pagar a requalificação da envolvente ao campo de futebol”.
Em comunicado, o PSD dá conta de que, na última reunião da autarquia, realizada na quarta-feira (dia 12), o executivo socialista, presidido por Jorge Abreu, apresentou, para aprovação, uma proposta de deliberação que, “em síntese e na prática, propõe que a Câmara Municipal contraia um empréstimo para pagar a requalificação da envolvente do campo de futebol e com o prazo de 15 anos (2 anos de carência 13 anos de amortização)”.
Os social-democratas figueiroenses dizem ter ficado “estupefactos” quando tomaram conhecimento da proposta. “Vale a pena lembrar que o PS tem um histórico nesta matéria. O Partido Socialista tem, no passado recente, na Assembleia e na Câmara, tomado posições contrárias e feito valer a sua posição de maioria e contrária a prazos longos”, sublinham.
Recordam, entretanto, que, na Assembleia Municipal, com executivos PSD, os socialistas “sempre se manifestaram contra os empréstimos por prazos longos, argumentando que não se devia fazer divida para os vindouros pagarem” e que, na Câmara Municipal “e aquando da contratação do empréstimo para o Saneamento Financeiro, o [então] vereador socialista Jorge Abreu, inviabilizou uma proposta, apresentada pelo executivo PSD da altura, de um empréstimo por doze anos com 2% de juros e 3 anos de carência, com o argumento de que o tempo era muito longo e que o empréstimo deveria ser pago por quem o contraiu e no tempo previsto de exercício de funções”.
O resultado, lembra o PSD, “foi que o empréstimo acabou por ser contraído em condições mais penalizadoras para a Câmara Municipal: 9 anos, 6% de juros e um ano e meio de carência”.
“É, pois, com espanto que assistimos a uma pirueta de 360 graus nesta matéria. O que era mau nos anteriores mandatos é agora bom.  Na altura o pagamento do empréstimo tinha de ser feito por quem o contraiu, agora pode ser adiado para as calendas gregas e outros que o paguem”, adiantam os social-democratas.
E vincam que esta proposta “é de uma incoerência gritante, mas para o PS tem os seus méritos. Cumpre os objectivos de curto prazo, isto é, serve a propaganda para dizer que se fez uma obra, serve a inauguração com pompa e circunstância e serve a esperança de tentar ganhar algum dividendo político com isso. Serve tudo isto, mas omite que é uma divida que se deixa para as gerações seguintes pagarem”.
Entendendo que a sua posição “relativamente a esta matéria é simples e clara”, o PSD garante que não fará “aquilo que o PS fez no passado recente por mero tacticismo político, prejudicando com isso o Município e os figueiroenses” e considera que, “sendo o financiamento uma opção a considerar, não seremos nós a inviabilizá-lo, mas tem de ser o Partido Socialista a assumir a sua própria incoerência e a opção de deixar divida e uma herança que onera os mandatos e as gerações futuras”.
E, a concluir, o PSD de Figueiró dos Vinhos afirma que foi a única força politica “a opôr-se a este calote para a próxima geração pagar, mostrando com isso o quanto nos distanciamos dos tacticismos políticos que tanto prejudicaram e prejudicam o nosso concelho e as suas gentes".


(Texto escrito com a antiga grafia)

97FM - Pombal Vértice Luminoso